top of page

Maio: mês de retrocessos ambientais. Defendemos a Demarcação das Terras indígenas já!

João Pedro Ambrosi – Dirigente e Militante do Revolução Socialista

No fechamento do mês de Maio vemos o congresso brasileiro tentando passar mais uma vez a boiada no meio ambiente. A aprovação do regime de emergência do PL 490 e o debate sobre exploração de petróleo na foz do Amazonas foram os assuntos mais comentados na última semana.

O PL 490 faz com que o marco temporal de demarcação das terras indígenas seja um ataque direto aos povos originários, obrigando-os a ficarem cada vez mais privados de seus territórios. Lembrando que esse projeto de lei foi feito sem uma ampla consulta aos povos originários que serão afetados com a extinção de territórios historicamente povoados pelos mesmos. Mais uma vez vemos os políticos, a mando da burguesia, atuando em favor dos ruralistas sem uma consulta sequer aos demais interessados, os indígenas e a população brasileira como um todo.

E essa luta é de todo o povo brasileiro, pois é uma luta pela defesa das nossas matas, rios e animais. Que são vitais para a nossa existência como ser humano, pois não há planeta B.

Também entrou um debate a exploração de petróleo na foz do Amazonas, que pode potencializar a economia gerando recurso para reinvestir no Brasil. Vendem mais uma vez a ilusão de que o petróleo pode ser o motor do desenvolvimento brasileiro. Sendo que estamos debatendo uma transição energética que visa acabar com esses combustíveis extremamente nocivos para o meio ambiente. Lembremos do Pré sal que hoje está nas mãos do capital privado.

Vemos uma repetição de erros históricos executados novamente pelo governo do PT na liderança do presidente Lula, que não se posiciona contrário a esses projetos do capital para não gerar um ‘’problema’’ com a burguesia, que segue tomando as rédeas da política nacional. A falta de postura deste governo vai, mais uma vez, gerar a conciliação de classes que só coloca os mais ricos na mesa de negociação. Garantem a geração de lucro dos empresários deixando conta dos problemas causados cargo de trabalhadoras e trabalhadores, implementando, por exemplo, políticas de austeridade fiscal para programas sociais e liberando um desmanche geral dos nossos ecossistemas.

Vivemos uma crise capitalista global e enquanto não pautarmos nossa soberania ambiental nunca teremos uma sociedade justa. O meio ambiente não pode simplesmente ficar de lado para que a geração de lucro seja prioridade. Estamos cansados de ver esses ciclos de desenvolvimento baseados na produção capitalista que no fim das contas terminam em golpes políticos, os imperialistas tomam nossos recursos e a conta do impacto ambiental fica nas costas da classe trabalhadora.

Lutamos por uma política feita pelo povo e para o povo.

Chega de negociatas no congresso para favorecer ao mercado, nacional e internacional!!

Chega de destruir nosso meio ambiente em favor da geração infinita de lucro!!!

Defendemos a Consulta aos Povos indígenas e a Demarcação das Terras Já!

Apoiamos a luta dos povos indígenas e amanhã estaremos na manifestação contra a PL 490, na praça Santos de Andrade em Curitiba

26 visualizações0 comentário
bottom of page