top of page

Encontro internacional socioambiental da LIS: Sim, olhar para cima. Não há planeta B

A magnitude da crise climática global já não deixa espaço para a negação. As elites e poderes econômicos mundiais estão se apropriando do conceito de transição ecológica como um plano de distração face à crescente consciência popular do desastre socioambiental. Nas mega conferências de empresas com uma embalagem ecológica, os planos de incentivo orçamental são encorajados com dinheiro público para a conversão sustentável de empresas poluidoras. Estas são variantes do capitalismo verde nas mãos dos aprendizes de feiticeiros. Face a este panorama, o Comitê Executivo da Liga Internacional Socialista convocou o Primeiro Encontro Internacional Socioambiental, no mês de Setembro, com a participação de representantes de coletivos, ativistas e representantes de países dos 5 continentes. Da América do Sul, da Europa Ocidental, África, Austrália, América Central, Europa Oriental, Sul da Ásia e Oriente Médio. Porque nós, sim olhamos para cima.

Por Mariano Rosa Coordenador da Rede Ecossocialista Argentina– LIS, Argentina.

No ano passado, a Netflix lançou “Não olhe para cima”, estrelado por Leonardo Di Caprio. A trama do filme é bastante simples: um grupo de jovens cientistas descobre através de cálculos astrofísicos que um asteroide vai colidir com a Terra dentro de seis meses e causar uma extinção em massa. A história expressa três ideias, que retomamos a fim de apresentar um paralelo com o panorama planetário atual, real, não cinematográfico:

  • O colapso é inevitável, cientificamente comprovado de antemão.

  • Os poderes políticos e econômicos promovem a desinformação, a confusão e as saídas de baixo custo para as grandes empresas capitalistas.

  • Vemos a dimensão do desastre, mas eles ainda querem escondê-lo de nós.

Ao contrário do senso comum instalado pelos chefes, o grupo de jovens cientistas dá um combate contra a ideia de “não olhar para cima”, ou seja: estão lutando contra o ceticismo em condições de extrema minoria.

Claro que não vamos romantizar este filme ou recomendar sem crítica a qualquer produto cultural da Netflix com toda a sua bagagem ideológica. Mas tomamos uma mensagem subjacente como orientação e fundamento do apelo para o nosso 1º Encontro Socioambiental Internacional: sim, olhamos para cima, com os olhos bem abertos. Porque não há planeta B.

Nem um minuto a mais

O livro de Nathaniel Rich, “Perdendo a terra”, apresenta uma tese inatacável: em 1979 já sabíamos praticamente tudo o que sabemos hoje sobre as alterações climáticas. A ciência climática nos anos 70 e 80 antecipou as coordenadas centrais das dinâmicas que estão agora a ser reproduzidas quase ao milímetro em termos do efeito de estufa. Esperar, atrasar, negar, distrair, é a resposta que as potências capitalistas do mundo têm dado desde então até hoje. James Hansen, climatologista da NASA, publicou um artigo sobre o assunto na revista Science em 1981 e compareceu perante a Comissão de Energia e Recursos Naturais do Senado dos EUA em 1988. Ele apresentou provas categóricas que apontam para uma conclusão clara: as emissões de CO2 derivadas principalmente da utilização maciça de combustíveis fósseis estão provocando um aumento constante da temperatura média do planeta. Ele soou um alarme sonoro no coração do poder político imperialista. Foi estigmatizado e perseguido, foi cientificamente ostracizado.

Além disso, na pré-história do movimento socioambiental, sabemos hoje que os cientistas da companhia petrolífera Exxon previam com precisão, em 1982, os níveis de CO2 na atmosfera que atingimos recentemente. Com esse contributo como uma ferramenta social preciosa em mãos, a corporação optou por cobrir tudo e despejou milhões do seu orçamento publicitário na promoção de uma negação flagrante do clima militante. Depois de tudo isto, seguiram-se relatórios do IPCC, desde 1990 até ao último, há algumas semanas, verificando e apoiando com solidez científica todas as hipóteses de Hansen e dos climatologistas de há 50 anos atrás. Mas para concluir esta seção do artigo, um fato que quantifica as consequências do atraso capitalista na tomada de medidas urgentes: de 1992 até aos dias de hoje, 50% de todas as emissões de CO2 na história da humanidade foram emitidas para a atmosfera, impressionante!

Os aprendizes de feiticeiros procurando a quadratura do círculo

Conforme a curva de emissões crescia ano a ano, a necessidade de medidas estruturais e globais tornou-se evidente. Isto empurra o capitalismo global e sua dinâmica econômica, que está pressionando para uma reprodução permanentemente expandida e petrodependente. Para o resgate de emergência do 1% mais rico do planeta, os porta-vozes remunerados da ciência climática são sempre pontuais para oferecer soluções tecnológicas inovadoras. Há alguns anos, a intervenção destes indignos porta-vozes da ciência nos relatórios do IPCC, tem sido claramente perceptível:

  • BECCS (Bioenergia com Captura e Armazenamento de Carbono).

  • DAC (Captura Direta do Ar).

Estas soluções inovadoras tornariam o capitalismo e a redução de emissões compatíveis. São as chamadas “tecnologias de emissões negativas”, e o seu objetivo seria remover o CO2 que já existe na atmosfera. Então, quais são as consequências da ação destes descobridores da quadratura do círculo?

Pode continuar a queimar combustíveis fósseis por mais tempo.

Operar uma descarbonização mais lenta e esquecer os pesados planos de redução drástica. Podemos mesmo exceder temporariamente os limites de aquecimento de 1,5 ou 2°C e depois estabilizar o clima abaixo dele novamente.

Embora isto possa parecer um exagero técnico, na realidade, é o que escondem os slogans de “zero líquido”, “compensações de carbono” e “soluções baseadas na natureza” que dominam as políticas climáticas oficiais em todo o mundo.

Mas qual é o pequeno e secundário detalhe? Nem o desempenho nem a viabilidade destas tecnologias foram alguma vez testados.

Em suma, como no filme de DiCaprio, em vez de desviar o asteroide, o curso das políticas climáticas oficiais do capitalismo dominante quer arriscar o destino de toda a civilização a instrumentos tecnológicos caros e incertos, capazes de resolver tudo no último minuto. Dizemos-lhes alto e bom som: de jeito nenhum!

De olhos bem abertos: compreender, agir, mudar o que precisa ser mudado.

Há vinte ou trinta anos atrás, o negacionismo poderia ter tido mais espaço de ação e influência poderosa. Mas à medida que os impactos do aquecimento global se tornaram mais visíveis, a consciência social aumentou. Especialmente com a onda verde pré pandemica de mobilização juvenil que coloca forçosamente a seriedade e urgência do assunto na ordem do dia com grandes protestos internacionais. Além disso, o foco está agora nas medidas de resgate ecossocial para a nossa civilização.

E a este nível, nós, os anticapitalistas e ecossocialistas da LIS, temos muito que falar: através da nossa experiência de lutas, através da elaboração teórica e política, através de ter os olhos bem abertos para compreender, agir e transformar tudo o que é necessário. Nesta perspectiva, temos uma esquerda de toda a chamada comunidade internacional cooptada pelas corporações.

Chamamos ao I Encontro Socioambiental Internacional, e fazemos um apelo especial aos jovens que lutam em todo o mundo contra as atrocidades causadas pela matriz produtiva capitalista que ameaça o futuro da vida planetária.

A fim de chegar a conclusões comuns e de nos organizarmos conscientemente, proporemos deliberar em painéis com palestrantes de diferentes países sobre vários eixos temáticos estratégicos, com participantes de todos os 5 continentes.

Através das fronteiras com a tarefa histórica de ativar o travão de emergência.

Dias 10 e 11 de Setembro.

Porque não existe um Planeta B!

3 visualizações0 comentário

Yorumlar

5 üzerinden 0 yıldız
Henüz hiç puanlama yok

Puanlama ekleyin
bottom of page